João Nogueira (João Batista Nogueira Júnior)

João Nogueira (João Batista Nogueira Júnior)  Biography

Nascido e criado na Rua Magalhães Couto, no Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro.
Frequentador de tradicionais botequins cariocas como o antigo “Pé na Poça”, situado no bairro onde cresceu.
Sempre homenageou, em seus sambas, “as coisas simples das gentes”.
Filho de músico profissional, nunca deixou de estar em contato com o samba e o choro devido às presenças de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Donga e João da Baiana, amigos de seu pai e frequentadores de sua casa.
O pai chegou a tocar com Noel Rosa, segundo o livro “Noel, uma biografia”, de João Máximo.
Aprendeu a tocar violão acompanhando o próprio pai, que morreu quando ele tinha 10 anos. “Seu” João Nogueira era violonista e chegou a tocar com o Conjunto Regional, de Rogério Guimarães, e com Jacob do Bandolim. Com a sua morte, a família passou por uma fase difícil. Assim, foi obrigado a trabalhar como vitrinista e vendedor.
Trabalhou, também, como funcionário da Caixa Econômica.
Aos 15 anos, começou a fazer música junto com a irmã, a compositora Gisa Nogueira.
Em 1958, passou a freqüentar o Bloco Carnavalesco Labareda do Méier, do qual, mais tarde, veio a ser diretor.
Foi na sua própria casa do Méier que nasceu o Clube do Samba, que funcionou durante anos a fio com noitadas animadas pelo “Pagodinho de Fundo de Quintal”. O Clube mudou-se para o bairro do Flamengo, em seguida para a Associação dos Servidores Civis do Brasil – inaugurado por Clara Nunes – e para o Clube Municipal, antes de chegar à sede definitiva, na Barra da Tijuca. O local, onde funcionava um depósito de bebidas, foi totalmente reformado e decorado por João Nogueira – o fundador e presidente do Clube (1979). Além do salão, com capacidade para mais de 1000 pessoas, funcionava no Clube uma galeria de arte – Guilherme de Brito – e o jardim batizado com o nome de Clara Nunes. Neste, há uma escultura de um sabiá com a seguinte inscrição: “Voa meu sabiá/ Canta meu sabiá/ Adeus, meu sabiá/ Até um dia…”, estribilho de um samba do compositor (parceria com Paulo César Pinheiro), gravado por Alcione.
Participou, como ator, do filme Quilombo, de Cacá Diegues, no qual fez o papel de Rufino.
O Bloco Carnavalesco Clube do Samba desfila todos os anos pela Avenida Rio Branco e traz entre seus integrantes: Alcione, Beth Carvalho, Dalmo Castello, Dona Ivone Lara, Gisa Nogueira, Martinho da Vila, Paulinho Tapajós e Paulo César Pinheiro.
Faleceu na madrugada do dia 6 de junho de 2000, vítima de enfarte, quando ainda se recuperava de um AVC que o deixara com algumas sequelas.
Em 2012 seu nome foi usado para rebatizar o Teatro Imperator, famosa casa de espetáculo da Zona Norte, situada no bairro do Méier, próximo ao local onde residiu o compositor, que passou a ser chamada de Centro Cultural João Nogueira. Por iniciativa de Emílio Khalil, Secretário de Cultura da Pefeitura do Rio de Janeiro na gestão de Eduardo Paes, o centro cultural é um complexo que envolvesalas de cinema, salas de apresentações, palco principal e também um mini-museu sobre o compositor. Todo o complexo cultural tem capacidade para cerca de duas mil pessoas em dias de evento.

 

Fonte: http://www.dicionariompb.com.br/joao-nogueira/biografia

More Albums From: João Nogueira (João Batista Nogueira Júnior)

Candeia (Antônio Candeia Filho)Candeia – Luz da Inspiração